/ Gritos de Minha Alma: Abril 2009

quarta-feira, abril 22, 2009

Grilhões...



Minha alma esteve presa
Durante muito tempo,
Por grilhões invisíveis,
Porém dolorosos,
Que me mantiveram
Afastada de tudo e de todos;


Mas que não me pesaram tanto,
Porque foram
Tornados leves pelo carinho,
Amaciados pela dedicação,
Suportados pelo amor...


Publicado no Recanto das Letras em 22/03/2009
Código do texto: T1500016

Copyright © abr / 2009
By Valderez de Barros
All rights reserved.

terça-feira, abril 21, 2009

Dúvidas de amor



Diga-me o que se passa
Em sua alma, para que
Eu possa compreender
Esse seu modo de amar...!

Diga-me o que se passa
Em seu coração confuso,
Que não consegue
Entender o meu...!

Diga o que posso fazer,
Para que você entenda
Que o meu amor é seu...!
Incondicionalmente seu...!

Publicado no Recanto das Letras em 18/04/2009
Código do texto: T1546619
Copyright © abr / 2009
By Valderez de Barros
All rights reserved.

Volta, amor!



Deixo contigo, meu pedido mais novo, *
Na esperança que ainda possas me amar... **
E no íntimo das emoções, voltes pra mim! *
A saudade está doendo! Preciso tanto de ti! **

Dói numa dor ardida, abre em meu peito ferida
Que cicatriza jamais! *
Minh'alma sofrida te chama, **
Meu corpo grita, retorcido na cama! *

Num louco delírio, meu coração te implora: **
Volta! Volta para quem tanto te ama! *
Vem matar essa vontade que me devora, **
Florir meus desejos, sentires o que eu sinto agora! *

Vem, não deixa tanta vida no vazio, se perdendo! **
Não deixa esse vazio para sempre doendo... *
Podemos ser felizes, meu amor! Volta! **
.
Autores:
Paulo Cesar Coelho *
Valderez de Barros **

Ao querido amigo Paulo, o meu agradecimento, por me proporcionar mais uma vez, a grande alegria de compormos juntos!!! Beijão, parceiro!!!
.
Para ver o trabalho deste ilustre poeta, visite:


Publicado no Recanto das Letras em 17/04/2009
Código do texto: T1545023
Copyright © abr / 2009
By Valderez de Barros
All rights reserved.

segunda-feira, abril 13, 2009

Tempo de perdão...


Houve um tempo em que
Continha minhas lágrimas,
Escondia minhas dores de amor...
Ou, se tinha oportunidade,
Chorava escondida,
Sem que ninguém notasse...

Houve um tempo em que
Meu coração despedaçado,
Chorava também pelo que sofrias...
Sim, eu sei que sofrias...!
E eu também chorava por ti,
Mas...nem percebias...!

Hoje me arrependo
De não ter dito mais vezes,
Mesmo na nossa situação,
O quanto te amava...!
Sei que me amaste
Do teu jeito...eu sei...!

Hoje, as mágoas se foram...
A dor se foi, junto com o tempo...
Agora, só procuro recordar
Os momentos felizes que vivemos...

Hoje eu te peço perdão,
Se não fui a mulher que esperavas...!
Já te perdoei há muito,
Pelas dores que me causaste...!

Mas, nunca perdoei a mim mesma,
Por não ter conseguido fazer-te feliz...!
Não sei onde errei...se errei...!
O que sei, é que sempre te amei...!


Publicado no Recanto das Letras em 11/04/2009
Código do texto: T1534445
Copyright © abr / 2009
By Valderez de Barros
All rights reserved.