/ Gritos de Minha Alma: Fevereiro 2008

domingo, fevereiro 24, 2008

Só a saudade ficou...



Amo-te hoje

Muito mais

Que ontem!

Quero-te tanto,

Tanto, meu amor!

Foste embora

Levando

Um pedaço de mim...!

Só a saudade

Do que poderia

Ter sido,

Dos meus sonhos

Perdidos,

Comigo ficou...!
Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved.

Publicado no Recanto das Letras em 14/11/2007Código do texto: T736413

sexta-feira, fevereiro 22, 2008

Tempo que passa



Já não me importa
O tempo que passa...
Já não é tão importante
Te encontrar...
.
Se chegares,
Estarei sempre
De coração aberto
Para te acolher...

Vou cantar desilusões,
Soltar minha voz ao vento,
Cantar pra mim mesma,
Pra satisfazer meu coração...

Para expressar
Em doces canções,
Os meus sentimentos
Mais profundos...

Para tirar da alma
Por alguns momentos,
O vazio de estar só...
Deixar a fantasia me levar...
Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved.

Publicado no Recanto das Letras em 11/11/2007Código do texto: T733214

quarta-feira, fevereiro 20, 2008

Canto...







Canto..
As alegrias que me deste,
Os momentos felizes de amor
Que contigo vivi...
As noites embriagantes
Em que nos achamos
E nos perdemos um no outro...

Canto...
A insensatez
Dos nossos desencontros,
As mágoas deixadas
Pelos caminhos divididos
Nas encruzilhadas
De nós dois...

Canto...
Outros amores
Que imaginei sentir
E que me trouxeram
Dissabores, decepções,
Porque fui enganada
Por falsas ilusões...

Canto...
A dor dos solitários,
Dos tristes, dos mal amados,
Da saudade de mim mesma,
Do que eu quisera ser...
Do que quero ser
E não consigo...

Canto...
O meu pranto
Derramado,
Os sussurros
Naufragados
Em soluços
Descontrolados...
Canto a minha dor...
Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved.

Publicado no Recanto das Letras em 30/10/2007Código do texto: T716812

terça-feira, fevereiro 19, 2008

Quando estou alegre


Se alegre...
Sou criança feliz,
Contente, a brincar...
Sou idosa a sorrir,
Sentindo a vida,
Num turbilhão,
Em minhas veias pulsar;
Querendo aproveitar
O que me resta viver,
Sem no amanhã pensar.

Se alegre...
Sou flor desabrochada,
Suavemente perfumada
E de cores vestida,
Sorrindo para o sol...!
Sou pássaro livre,
Voando alto, em busca
De novos horizontes,
De novos ninhos...
Da felicidade...!
Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved.


Publicado no Recanto das Letras em 23/11/2007Código do texto: T749812

segunda-feira, fevereiro 18, 2008

Recomeço

.

Alguém me disse
.Que "dancei",
.Quando escrevi
.Que deixei a vida
.Passar por mim,
.Sem percebê-la...
.Então eu lhe disse
.Que não dancei,
.Que eu precisava
.Viver o que vivi,
.Para poder
.Recomeçar
.Na hora certa,
.Mais consciente
.De mim mesma,
.E com a alma
.Fortalecida
.Pela vontade
.De ser feliz.
Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved.
Publicado no Recanto das Letras em 10/02/2008Código do texto: T854441

domingo, fevereiro 17, 2008

Melodia de amor


Quando me olho nos teus olhos,
Doces olhos que amo tanto,
Sinto-me flutuar no amor,
Que, embevecida, vejo neles.
.
Quando sinto teus braços
Envolvendo-me com carinho,
Sinto que posso tudo,
Que sempre estarás me abraçando.
.
Quando ouço tua voz
Sussurrar aos meus ouvidos:
-"Te amo, meu amor!"
Meu coração explode de emoção.
.
Quando teu corpo encosta no meu,
Tudo se resume em nós dois,
Unidos pelo desejo, pelo prazer,
Pela vontade de estarmos um no outro...
.
Porque nosso amor é lindo!
Música tocada em notas e acordes
Ora suaves, ora vibrantes e intensos,
Da melodia divina do nosso amor.
Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved.
Publicado no Recanto das Letras em 12/10/2007Código do texto: T691420

Acordei sorrindo


Sonhei que te encontrava
Num jardim florido e perfumado,
Onde borboletas multicores
Esvoaçavam beijando as flores,
E pássaros lindos nos encantavam
Com a sonoridade dos seus gorjeios.

Felizes, de mãos dadas,
Corríamos saltitantes,
Sorrindo e nos olhando
Apaixonadamente...
Vez ou outra parávamos,
E nos beijávamos sofregamente.

Em dado momento, avistávamos
Um riacho de águas rumorejantes,
Entrávamos nele, mesmo vestidos,
E brincávamos como duas crianças,
Jogando água um no outro.

Acordei sorrindo,
Procurando-te com as mãos,
Que só encontraram os lençóis,
Na minha cama vazia e fria.

Desencanto, tristeza...
Como sempre, foi só um sonho,
Que se dissolveu na realidade
Do meu acordar solitário.
Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved.
Publicado no Recanto das Letras em 07/06/2007Código do texto: T517391

sexta-feira, fevereiro 08, 2008

Alma se abrindo



Pra você
Que tanto amei,
Me entreguei...!
Alma se abrindo,
Coração sorrindo,
Sem medo de amar...!

Quando te encontrei,
Logo me apaixonei...
E o amor foi tanto,
Que quando te perdi,
Derramei meu pranto;
Quase louca fiquei...

Pelos caminhos
Da dor enveredei,
Sem me importar
Aonde ia,
Perdida
Na minha agonia...

Sem enxergar
Mais nada,
Dilacerado coração,
Alma triste, condenada
Ao suplício da solidão
E da saudade...


Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved.
Publicado no Recanto das Letras em 08/02/2008Código do texto: T850420

Vai, amor!




Amor, amor!
Onde estás que não vens
Alegrar meu coração...?
Já te encontrei
E te perdi;
Já chorei, já fui feliz;
Mas, não sei bem porque,
Quem amou sempre fui eu...!

Vai, amor!
Toca o coração
Daquele que
Será só meu!
Sussurra ao seu ouvido
Que o seu amor sou eu!

Insinua-te
Dentro dele,
Fazendo-o me amar!
Traze-o pra mim,
Que estou aqui,
Sozinha, a esperar...!

Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved.



Imagem refletida


Sentei-me à beira
De um regato
De águas mansas,
Debrucei-me
Sobre ele e vi,
Ali refletida,
A imagem de uma mulher...
.
O rosto jovem,
Sorriso nos lábios,
Cabelos longos,
Olhos verdes,
Brilhantes,
Cheios de ilusões,
Cheios de vida...
.
Quis tocá-la,
Mas as águas
Fizeram ondas
E aquela imagem
Se modificou...
.
Em seu lugar,
A imagem
Da mesma mulher...
Mas, sua tez
Já não tem
Tanto viço...
.
Seus cabelos
Já não são longos
Nem tão abundantes...
Seu sorriso
Já não é tão ingênuo,
Nem tão contagiante...
.
Mas, os seus
Olhos verdes...!
Ah, esses ainda têm
O mesmo brilho
Da imagem que se foi
E se perdeu no tempo...
Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved.
.

sexta-feira, fevereiro 01, 2008

Quando



Quando eu não mais cantar
Nem mais fizer poesias...
Quando a inspiração
Em mim não fizer mais moradia
E do meu peito se ausentar,
Então, eu não serei mais Eu...
.
Quando eu não souber mais
Fantasiar um grande amor...
Quando a vontade de amar
E de te encontrar,
Já não estiver em mim...
Então, eu não serei mais Eu...
.
Quando nada mais restar
Dos meus sonhos e ilusões...
Quando em meu coração
Já não houver a esperança
De viver o amor que sempre quis...
Então eu não serei mais Eu...
E nada restará do que fui.
. .
Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved..
Publicado no Recanto das Letras em 30/01/2008Código do texto: T840100

Sozinha



Sozinha...

Sou alma sem fantasia,

Coração sem alegria,

Voz sem melodia,

Versos sem poesia...
.
Copyright © fev / 2008
By Valderez de Barros
All rights reserved.

Publicado no Recanto das Letras em 28/01/2008Código do texto: T836862