/ Gritos de Minha Alma: Janeiro 2007

sexta-feira, janeiro 26, 2007

Quando de Ti Me Lembrar


Quando de ti me lembrar,
Sei que lágrimas sentidas vou chorar,
Porque te amei demais,a ti me doei,
Sem saber que o amor
Que dizias por mim sentir,
Era o mesmo que a outras juravas...
Era o mesmo com que me enganavas...

Quando de ti me lembrar
E o sabor dos teus beijos
A minha boca invadir,
Lembrarei que em outras bocas,
Derramaste o mesmo mel...
E toda a doçura que eu sentir,
Se transformará, dolorosamente, em fel...

Quando de ti me lembrar
E a saudade em meu peito
Se avolumar demais,
Pensarei então num jeito,
De te arrancar do meu peito
E não te lembrar jamais...

Quando de ti me lembrar,
Tentarei então pensar
Que um dia, em meu caminho,
Um amor verdadeiro e lindo
De repente me aparecerá
E virá o meu coração resgatar...

E se algum dia em mim pensares,
Com desencanto ou com saudade,
Lembra que eu sempre te dizia,
Que jamais encontrarias
Quem te desse tanto amor,
Como o que eu te dei um dia...

Copyright © jan/2007
By Valderez de Barros
All rights reserved.

quarta-feira, janeiro 24, 2007

Chora Coração!



Como dói meu coração,
Pela solidão que o invade...!

Como ele chora a dor da saudade,
De um amor tão bonito,
Porém, não correspondido...!

Chora, coração...!
Derrama essa dor que te sufoca...
Que teima em te habitar...!
Desafoga tua mágoa, coração...!
Senão vais explodir de tanto amar...

Ah! Pobre coração, que se abriu
E acolheu esse amor tão intenso,
Que não sobrou nenhum espaço
Para mais nada,
Sem perceber que amava só...
E se perdeu numa dor imensa...

Chora, coração...!
Mas, vê se amadureces...!
Procura te apaixonar

Por quem te ame,coração...!
Pra não sofreres de novo
Outra desilusão...!


Copyright © jan/2007
By Valderez de Barros
All rights reserved.

terça-feira, janeiro 23, 2007

O Gosto Amargo do Abandono...



Havia em cada canto, um sorriso...
Pelo ar, um cheiro de amor presente...

Nos meu olhos, ternura e desejo...
Em minha boca,
O gosto do teu beijo quente...
Em meu coração, morava a felicidade...
E no meu corpo
Queimava a chama do teu corpo ardente...

Hoje há em cada canto, uma saudade...
Em minha boca,
O gosto amargo do abandono...
Tudo é vazio, escuro e sem sentido...
Os meus olhos
Choram a dor da separação...
Meu coração sofre por teu amor perdido...
O meu corpo
Sente o frio da solidão...

Onde andas tu, que me juravas tanto amor...
Que dizias não poder viver sem mim...?

...Em nossas noites de amor, me embriagavas
Com tuas carícias, tua ternura, teu calor,
Me fazendo mergulhar no paraíso...
Depois do amor maior me acariciavas...
E na doçura em que os sentidos se acalmam,
Enlaçado nos meu braços, realizado, tu ficavas...


Onde andas tu, que me juravas tanto amor...
Que dizias não poder viver sem mim...?


Copyright © 1986
By Valderez de Barros
All rights reserved.

sábado, janeiro 13, 2007

Retrospectiva de Uma Alma



Vejo aquele corpo onde habito,
adormecido naquela cama e faço uma retrospectiva
do que ele viveu e sentiu ao longo da vida...
Aquele é um corpo que sentiu o carinho e o amor
dos pais e dos irmãos...
Que sentiu imenso amor e desejo
pelo homem que escolheu e com quem
viveu momentos de amor e desenfreada paixão...
Que gerou vidas em seu ventre
e derramou todo o seu amor nesses seres,
únicos no mundo e que sairam de suas entranhas,
para serem amados como
só uma mãe sabe amar...
Um corpo que teve o seu coração ferido
pelas contingências da vida e teve que se fechar,
escondendo os seus sentimentos mais íntimos,
podando sua alegria de viver...
Que se anulou dolorosamente
e que viveu, por tantos anos,
sem sentir os prazeres do amor pleno
e absoluto e ficou traumatizado,
com um medo irracional
de voltar a sentir
o toque de outro amor em si,
por tantas magoas e desilusões porquê passou...
Eu sou a alma daqule corpo,
que sentiu tudo isso,
mas que não perdeu a esperança
de encontrar alguém muito especial,
que consiga, com muito amor e paciência,
derrubar todas as barreiras que o envolvem,
fazendo renascer aquela mulher
apaixonada e vibrante de amor,
que provavelmente, ainda existe dentro dele...
Copyright © -jan/2007
By Valderez de Barros
All rights reserved.

Desvario



No silêncio do meu quarto,
Sozinha na cama,
Por debaixo do lençol,
Meu corpo queima e arde
De desejo de você...!

E me abraço, me acaricio,
Pensando serem suas mãos a me acariciar...!
O desejo vem mais forte ainda...!
Mas, num lampejo da razão,
Volto a mim, desse desvario...

Percebo amargamente
Como dói a solidão,
Como sinto sua falta,
Como queria que você estivesse
Sempre ao lado meu...

Como eu lhe amaria...!
Perdidamente lhe abraçaria!
Ardentemente lhe beijaria!
No seu corpo iria me perder
De tanto amor e prazer...!

Ah, se um dia eu lhe encontrasse...!

Se você também me amasse...!
Nos seus braços, feliz, eu cairia
E chorando, a Deus agradeceria,
A graça do seu amor ser meu...

Copyright © -jan/2007
By Valderez de Barros
All rights reserved.


Você Está Em Mim


Você está para mim,
como o perfume
está para a rosa,
que o carrega
dentro de si...
.

Você está para mim,
como a água
está para a planta,
para molhá-la
e fazê-la florescer...
.

Você está em mim,
como a brisa que me acaricia,
mas que, sem sentir meu apelo
foge de mim, indiferente,
buscando outros carinhos...
.

Você está para mim,
como a chuva
está para o riacho,
que sem ela morreria,
e, seco, de nada valeria...
.

Você está em mim,
como a gota de orvalho
que numa folha caiu
e que, com sua beleza,
deu-lhe o brilho do sol
e revestiu-a de luz...
.

Você está para mim,
como o sol está para a lua,
que sempre busca tocá-lo,
sempre querendo amá-lo,
mas, sem conseguir
jamais alcançá-lo...
.

Você está em mim,
no ar que respiro,
no sangue que em minhas veias corre,
na vida que dentro de mim, por você clama,
no pulsar do meu coração que sem você, de dor,
em meu peito irá morrer de amor...

Copyright © -jan/2007
By Valderez de Barros
All rights reserved.